Filosofia Islâmica

al_kindi

Abu Yusuf Ya’qub ibn Ishaq al-Kindī (~801)

A escola de filosofia islâmica mais bem conhecida é chamada de mashsha’i ou Peripatética e foi fundada no século 9 em Bagdá por Al Kindi. Essa escola é uma síntese dos princípios da revelação islâmica, da filosofia de Aristóteles e do Neoplatonismo das escolas de Atenas e Alexandria. Al Kindi é chamado de “filósofo dos árabes” e compôs mais de 200 tratados, nos quais ele discute tanto filosofia quanto ciência, dando início a uma linhagem de sábios muçulmanos que são filósofos-cientistas e não apenas filósofos. Seu objetivo maior era o de descobrir a verdade, onde quer que ela esteja: “Para aquele que busca a verdade não há nada de maior valor que a verdade em si mesma.” Essa verdade seria atingida através do desenvolvimento do intelecto, uma capacidade humana que pode atuar como um “repositório para a revelação macrocósmica.”

Al Kindi’s Metaphysics
Before Essence and Existence: al-Kindi’s Conception of Being – Peter Adams
Biography

Link externo: Al Kindi’s website

alfarabi

Abu Nasr al-Farabi (~870)

Al Farabi foi o sucessor de Al Kindi. Ele nasceu em Farab na Ásia Central e foi atraído pela vida espiritual quando ainda jovem, dedicando-se ao Sufismo. Ele foi também um músico famoso, sendo que suas canções podem ainda ser ouvidas no repertório de música sufi da Índia. Ele conhecia a filosofia de Aristóteles profundamente e comentou todos os seus trabalhos, inclusive os que lidavam com as teorias sobre cosmologia. Além de ter sintetizado o conhecimento sobre Aristóteles, ele também se interessou por Platão e pelos Neoplatônicos, relacionando-os com as perspectivas mais universais do Islão. Ele buscou também harmonizar a idéia do rei filósofo de Platão (ver The Republic) com o conceito do profetismo das tradições abrâmicas. Ele é considerado como tendo exercido uma influência fundamental sobre o pensamento de Ibn Sina (Avicena).

Al Farabi’s Philosophy of Plato and Aristotle – Muhsin Mahdi

Links externos:

Al Farabi’s website
Argument of Alfarabi’s Book of Religion – Paul M. Bushmiller
The Philosophy of Al Farabi And Its Influence on Medieval Thought – R. Hammond

Abu Yakub al Sijistani (~900)

Além da filosofia Peripatética, que teve início especialmente com Al-Kindi, outro ramo da filosofia islâmica que surgiu na mesma época, foi o da filosofia Ismaelita ou Hermético-Pitagórica. Para o ismaelismo, a filosofia é identificada com a verdade interna das religiões e apresenta um caráter esotérico. Esse ramo da filosofia lida com temas fundamentais para o islamismo, tais como, a unidade (al-tawhid) e a verdade por trás da revelação. A elaboração sistemática dessa filosofia foi feita por Al- Sijistani, que viveu em Khurasan no Irã. Foi profundamente influenciado pelo Neoplatismo, em especial por Plotino, principalmente no que se refere à cosmologia, metafísica e ao conceito de Deus como estando além do ser e do não-ser. Para ele, Deus não é uma substância, nem intelecto, e nem está contido em nenhuma das categorias que definem o universo criado. O Intelecto seria o primeiro ser existente, originado por Deus como uma totalidade indivisível.

Ismaili Thought in the Classical Age – H. Nasr and M. Aminrazavi

Links externos: Life and work

masarrah

Ibn Masarra (883-931)

A filosofia islâmica expandiu suas fronteiras em direção à Espanha, especialmente na Andaluzia, e teve como principal pensador Ibn Masarra, o fundador da escola da Almeria. Apenas dois de seus trabalhos são conhecidos, mas sua influência é considerada fundamental, especialmente nos estudos de cosmologia. Sua doutrina enfatiza a absoluta simplicidade e inefabilidade do Ser absoluto, a emanação dos níveis de existência, a hierarquização das almas e sua emanação da Alma Universal. Ela é baseada na obra de Empédocles (a quem Ibn Masarra confere o status quase de um profeta) e influenciou Ibn Arabi e Mulla Sadra, entre outros.

Link externo: Life and works

Leituras sugeridas:

Livro: The mystical philosophy of Ibn Masarra and his followers by Miguel Asín Palacios
Ibn Masarra: a reconsideration of primary sources by J. W. Morris

hazm

Ibn Hazm al Andaluzi (994)

Ibn Hazm é uma das maiores figuras do islamismo espanhol e um intelectual notável. Viveu em Córdoba e foi um historiador, teólogo e filósofo muito influente. Ele escreveu um trabalho (The book of critical detailed examination of religions, sects and philosophical schools) que é considerado o primeiro volume da história sobre religião comparada. Seu livro The Ring of the Dove trata do amor da alma pela beleza e é considerado o tratado islâmico mais famoso sobre o amor platônico e que também retoma a beleza poética do Fédon de Platão.

Biography
The Ring of the Dove
In Pursuit of Virtue
Ibn Hazm’s Treatise on Ethics

avicenna

Ibn Sina ou Avicena (~980)

Avicena nasceu em Bukhara na Pérsia e foi, além de filósofo, um dos médicos mais importantes. Ele publicou mais de 200 tratados sobre medicina e filosofia, incluindo o Book of Healing (Kitab al-Shifa) que é uma enciclopédia monumental sobre ciências e filosofia. Ele coroou a filosofia Peripatética, criando a síntese final entre o islamismo e as filosofiasaristotélica e neoplatônica, que se tornou uma dimensão intelectual permanente no mundo islâmico, e que sobrevive como uma escola viva de filosofia até os dias de hoje. No entanto, no final de sua vida, ele teceu algumas críticas à filosofia Peripatética e deu início à Filosofia Oriental (al-hikmat al-mashriqiyyah) – oriental porque se relaciona com o mundo da luz e não em um sentido geográfico. Ela é baseada na iluminação da alma e vê o mundo como uma jornada que o verdadeiro filósofo deve percorrer com a ajuda de um guia, que é ninguém menos que o Intelecto Divino – filosofia esta posteriormente, retomada e desenvolvida por Suhrawardi. Para distinguir o Puro Ser da existência do mundo, Avicena fez uma distinção fundamental entre necessidade e contingência. O Ser Necessário consiste num nível de realidade que deve ser e não pode não-ser, ou seja, consiste numa realidade cuja não-existência implicaria em uma contradição. Existe apenas uma realidade como esta, que corresponde ao próprio Deus revelado das religiões monoteístas. Todos os seres além do Ser Necessário são contingentes, considerados como seres que podem ou não existir. Essa distinção criada por Avicena é uma das mais fundamentais na história da filosofia.

Vida e trabalhos de Ibn Sina e sua importância
Avicenna and the visionary recital – Henri Corbin (livro)
Avicena e a “Filosofia Oriental”

Link externo: Life and works

Hamid al-Din al-Kirmani (~996)

Al-Kirmani era persa de origem e passou grande parte de sua vida em Bagdá e Basra (Iraque). Profundamente influenciado pelo Neoplatonismo, deu continuidade à filosofia Ismaelita. Ele substitui a díade neoplatônica do Intelecto (‘aql) e Alma (nafs) por uma série de Dez Inteligências, numa adaptação parcial do sistema cosmológico de Aristóteles e da adaptação desse mesmo sistema por Al-Farabi. Assim como outros filósofos ismaelitas, sua metafísica não está baseada em um Ser, mas em um Princípio Supremo Originador (al-Muhdi) que é um Supra-Ser – ele está além de todas as delimitações inerentes ao ser. O “ser” seria o primeiro ato de al-Muhdi, traduzido nos textos bíblicos como a ordem “seja!” (khun). Esta ordem é a origem da cadeia do ser de todos os reinos da existência e corresponde a unidade em si (al-wahid), enquanto que o Originador ou al-Muhdi é aquele que cria essa unidade.

Hamid al-Din al-Kirmani – Ismaili Thought in the Age of al-Hakim – Paul E. Walker

Link externo: Life and works

khusraw

Nasir-i Khusraw (~1004)

Khusraw nasceu próxima de Khurasan (Irã) e é um dos filósofos ismaelitas de destaque. Foi influenciado em especial pelo Neoplatonismo e por Plotino. Ele afirma que compreender com clareza a questão da unidade é a única forma de atingir a perfeição espiritual. Como outros filósofos ismaelitas, seu sistema cosmológico é dividido em dois reinos, um oculto (batin) e outro manifesto (zahir), de tal forma que tudo o que existe no mundo sensório apresenta uma contrapartida no mundo espiritual, que é visto como sua fonte e sua forma verdadeira. Assim, a estrutura cosmológica em si revela uma íntima associação entre o mundo espiritual e o físico, sendo que tudo o que foi criado e que possui uma existência no nível físico, apresenta seu olhar voltado para o espiritual, e anseia por compreende-lo e voltar a estar unido a ele.

Links externos

Nasir-i Khusraw Poetry
Life and work

ikhwan

Ikhwan al Safa – Irmãos da Pureza (~1000)

Os Irmãos da Pureza (Ikhwan-al Safa) eram uma fraternidade de filósofos que viveram provavelmente em Basra (Iraque). Suas origens são alvo de muita polêmica, mas especula-se que eles tenham tido origem na tradição ismaelita. Eles escreveram uma enciclopédia de mais de 50 volumes (Rasa’il Ikhwan al-safa’) que abrangia temas diversos, baseada numa síntese da filosofia de Pitágoras, Platão, Aristóteles, dosNeoplatônicos e do próprio Corão. O propósito do Ikhwan, de acordo com sua própria definição parece ser educacional – todas as ciências que eles apresentam têm como objetivo tornar o leitor ciente da grande harmonia e beleza do universo, e despertar a necessidade de ir além da existência material. Eles definem o homem ideal como: “persa oriental na origem, árabe na fé, de educação babilônica, um hebreu em astúcia, um discípulo de Cristo em conduta, piedoso como um monge sírio, um grego nas ciências individuais, um indiano na interpretação dos mistérios, mas finalmente e especialmente, um sufi na totalidade de sua vida espiritual.”

O Rasa’il do Ikwan al-Safa’ – Sua Identidade e Conteúdo

Link externo:

Rasa’il-e Ikhwan us Safa – Epistles of the Brethren of Purity

rushd

Ibn Rushd ou Averroes (1126)

Ibn Rushd nasceu em Córdoba na Espanha e viveu a maior parte de sua vida em Marrakech no Marrocos. Ele foi um dos maiores comentaristas de Aristóteles e é dito que foi através de seus olhos que o Ocidente conheceu a obra de Aristóteles, uma vez que grande parte de seus trabalhos foi escrita em latim ou hebraico.

The Incoherence of the Incoherence
On the Harmony of Religions and Philosophy
Lâm of the Books of Metaphysics
The Philosophy and Theology of Averroes

Outros autores

The philosophy of Ibn Rushd – Jamal al-Din Al-Alawi
Averroes on the Metaphysics of Aristotle – Isaac Husik
Remarks on Averroes’ Decisive Treatise – Muhsin Madhi
Averroes’ Doctrine of the Mind – S. C. Tornay

Link externo

Averroes Database – Thomas Institut der Universität zu Köln

suhraw_tombe_5

Suhrawardi (~1155)

Suhrawardi (Shihab al-Din Abu al-Futuh Yahya ibn Habash ibn Amirak al-Suhrawardi ou Sheique al-Ishraq) nasceu numa vila na Pérsia. Ele estudou em Zanjan e Isfahan até completar sua formação em religião e ciências filosóficas e aderiu ao Sufismo. Ele se instalou em Aleppo onde, devido à oposição com certas ideias predominantes em seu tempo, ele foi morto ainda muito jovem, com 38 anos de idade. Suhrawardi foi um grande místico e filósofo e restaurou no coração do Islão a philosophia priscorium (al-hikmat al-atiqah) que pode ser traduzida como filosofia antiga ou venerável, e é fruto do treino do intelecto e da purificação do coração através do Sufismo. Seus tratados estão entre as obras primas da filosofia islâmica, e partem dos pressupostos de Avicena e dos Peripatéticos e culminam em seu livro Hikmat al Ishraq. Poucos escritores combinaram com tanta maestria e profundidade uma metafísica de altíssimo nível com uma prosa poética de tanta beleza e qualidade literária. Ele integrou o Platonismo com a angeologia Mazdeana na matriz da gnose islâmica. Ele afirmava que existiram duas tradições de origem divina: uma delas surgiu em PitágorasPlatão e outros filósofos gregos até Aristóteles, e a outra, nos sábios da antiga Pérsia. Ele também identificou Hermes com o Profeta Idries, a quem concedeu o nome de Pai dos Filósofos, e foi considerado como o recipiente do conhecimento celeste, que deu origem à filosofia. Foi finalmente no coração do Islão que essa tradição foi restaurada por Suhrawardi e recebeu o nome de Filosofia da Iluminação (al- hikmat al-ishraq).

Biografia de Shihabudin Suhrawardi
Apresentação da Filosofia da Iluminação
Prefácio da tradução de Henri Corbin ao livro “O Arcanjo Empurpurado”
Os anjos na filosofia Ishraq
Suhrawardī’s apperception of the self in light of Avicenna
Recitais comentados

Introdução
O Sussurro das Asas de Gabriel
O Símbolo da Fé dos Filósofos
O Recital do Exílio Ocidental
O Tratado dos Pássaros
Glossário dos termos
Entre a Filosofia e a Mística: Suhrawardi e a Metafísica da Luz

Ver também Henri Corbin e Mundo Imaginal

ibn_arabi_damascus_syria_01

Ibn Arabi (1165-1240)

Abu Abd Allah Muhammad ibn al-Arabi é provavelmente o autor sufi mais influente na história islâmica. Ele foi chamado de Muhyi al Din “O Revificador da Religião” e de al-Shaykh al-Akbar “O Maior dos Mestres.” Exerceu influência no pensamento de todos os sufis posteriores, que expressaram seus ensinamentos em termos filosóficos e espirituais. Ele foi capaz de combinar as várias correntes esotéricas do mundo islâmico de seu tempo – os pitagóricos, a alquimia, astrologia e diferentes perspectivas do Sufismo – em uma vasta síntese moldada pelo islamismo. Ele nasceu em Múrcia (na Espanha) e se estabeleceu em Damasco, onde um círculo de discípulos, incluindo al-Qunawi, acompanhou-o até sua morte. Um de seus poemas mais famosos pode ser encontrado no seu Tarjumán al-Ashwáq: “Meu coração pode assumir qualquer forma – um pasto para gazelas, um claustro para os monges cristãos, um templo para os ídolos, a Kaaba para os peregrinos, as tábuas da Torá ou as páginas do Corão – pois minha religião é a religião do Amor. Qualquer que seja a direção que o Amor tomar, esta será minha fé e minha religião.”

Ibn Arabi e sua Escola – biografia, trabalhos e fundamentos
Fusus al-Hikam – The Seals of Wisdom
A Teofania da Perfeição
Tarjumán al-Ashwáq – a collection of mystical odes
On Majesty and Beauty
The Book of Annihilation in the Contemplation
Ibn al-¡Arab’’s Testament on the Mantle of Initiation (al-Khirqah)
The Kitâb al-inbâh of ‘Abdallah Badr al-Habashi
Book of the Quintessence of What is Indispensable for the Spiritual Seeker (A partial translation ofAdab al-Murîd)
The Alchemical Marriage of Intellect and Soul
The Beauty of Oneness witnessed in the emptiness of the heart
The experience and doctrine of love in Ibn Arabî
O Compassivo Ilimitado: A vida espiritual e o pensamento de Ibn ‘Arabî

Links externos

Epistle on Cosmic Unification
The Muhyiddin Ibn ‘Arabi Society
Selections from al-Futuhat al-Makkiyya (Meccan Revelations)
R. Landau – The philosophy of Ibn Arabi

mullasadra

Mulla Sadra (~1571)

A filosofia islâmica atingiu um novo ápice no período Safávida na Pérsia (dinastia xiita iraniana entre os séculos 16 e 18) com a Escola de Isfahan. A figura mais importante dessa escola foi Sadr al-Din Shirazi, conhecido como Mulla Sadra, que é amplamente considerado como o maior de todos os metafísicos muçulmanos. Nasceu em Shirazi e estudou com Mir Damad, o fundador da escola de Isfahan. Ele incorporou os ideais de Suhrawardi e afirmava que o filósofo-teólogo perfeito deveria dedicar-se tanto ao treino intelectual quanto à pureza espiritual. Ele era um exemplo disso, pois foi um mestre na dialética e lógica e ao mesmo tempo, um místico. Mulla Sadra soube entrelaçar um padrão de pensamento que é lógico e imerso no oceano da luz da gnose. Ele nomeou essa síntese – composta de revelação, intelecção e desvelar místico – de al-hikmat al-muta’aliyah ou teosofia transcendente.

On the hermeneutics of the Light Verse of the Quran (Tafsir Ayat al-Nur)
Psychology, Eschatology, and Imagination In Mulla Sadra Shirazi’s Commentary on the Hadith of Awakening

Links externos

Life and work
Sadra Islamic Philosophy Research Institute
Commentary on Mulla Sadra’s philosophy by Allameh Tabatabaei