Filosofia Ocidental

picodellamirandola

Giovanni Pico della Mirandola (1463)

Pico nasceu em uma família de nobres na Toscana (Itália) e foi um dos filósofos renascentistas mais importantes. Seu “Oration on the dignity of man” é considerado um Manifesto da Renascença e um texto chave para o humanismo dessa época.

Oration on the Dignity of Man

Link externo:

Life and work
The Works of Giovanni Pico della Mirandola

bacon

Francis Bacon (1561)

F. Bacon foi um filósofo, cientista e jurista da Inglaterra cujas ideias influenciaram a nova ciência que surgiu no século 17. Seu trabalho está relacionado com a emergência do método científico em si – ele sugeriu que o homem é escravo de suas próprias concepções e ideias e que estas devem ser eliminadas para que seja possível perseguir e atingir, de forma efetiva, o conhecimento científico e filosófico. Assim, seu método é baseado na indução, ou raciocínio indutivo, cujas bases devem ser a experiência e a observação. As premissas de um argumento indutivo indicam certo grau de suporte (probabilidade indutiva) para a conclusão, mas não implicam nela, ou seja, elas não garantem sua verdade, e sim indicam a probabilidade dela ser verdadeira ou não. A indução é usada para atribuir propriedades ou relações baseadas em observações ou experiências, e também para formular leis baseadas na observação de padrões recorrentes de fenômenos. Apesar de estabelecer as bases do pensamento científico, a indução foi – e ainda tem sido – alvo de críticas, principalmente por parte de David Hume, Karl Popper e David Miller.

Novum Organum (em português)

Links externos

The Advancement of Learning
Essays of Francis Bacon
Valerius Terminus; of the interpretation of nature
Properties of inductive reasoning: um ensaio sobre os principais fenômenos psicológicos do raciocínio indutivo

descartes

René Descartes (1596)

Descartes nasceu na França. Ele é considerado o Pai da Filosofia Moderna e uma das figuras centrais na Revolução Científica. Também teve papel importante na matemática com o sistema de coordenadas cartesianas. Ele foi a figura mais proeminente do racionalismo do século 17, que pode ser definido como um método baseado na premissa de que a verdade não é encontrada através do sensório, mas do intelecto e da dedução, ou seja, que a razão tem precedência sobre as outras formas de adquirir conhecimento.

Discurso do Método

Livros recomendados:

Meditações sobre a Primeira Filosofia
Princípios da Filosofia
O Mundo ou Tratado da Luz

Links externos:

Life and Work
The Selections from the Principles of Philosophy

spinoza

Baruch Spinoza (1632)

Baruch ou Benedito de Spinoza foi um filósofo de origem judaica nascido em Portugal. Ele é considerado um dos primeiros pensadores modernos e um dos filósofos que gerou as bases para o Iluminismo do século 18. Aplicando os métodos da matemática e filosofia, ele construiu um sistema metafísico baseado no racionalismo, fornecendo uma alternativa ao materialismo e ateísmo do final do século 18 na Europa. No entanto, por afirmar a unidade de tudo o que existe e a identidade entre espírito e natureza, ele foi considerado um panteísta. Além disso, foi o primeiro a examinar as Escrituras como registros históricos. Perseguido pela Inquisição e expulso da comunidade judaica, ele morreu muito jovem, aos 44 anos, na Holanda.

Tratado da correção do intelecto

Livros disponíveis:

Projeto Gutenberg (em inglês)
Seu livro mais importante “Ética” pode ser encontrado nas livrarias em português

kant

Immanuel Kant (1724)

Kant foi um filósofo alemão, considerado um dos pensadores mais influentes da Europa moderna e do final do Iluminismo. Ele caracterizou sua obra como uma ponte entre as tradições racionalista e empirista do século 17-18 – ele sugeriu que usar a razão sem aplica-la à experiência conduziria apenas a ilusões e que a experiência seria puramente subjetiva sem que ela fosse, primeiro, submetida à pura razão. Ele sugeriu que a metafísica deveria ser reformada – uma de sua frases é “A metafísica é um oceano escuro sem costa ou farol, juncado de destroços filosóficos” – e que essa reforma se daria através da epistemologia, que é um ramo da filosofia que se preocupa com a natureza e limitações do próprio conhecimento. Em vez de fazer a pergunta tradicional –o conhecimento reflete precisamente a realidade? – Kant pergunta como a realidade reflete a cognição. Assim, a investigação para atingir o conhecimento não deveria estar voltada apenas para a observação do mundo e sim para a estrutura das capacidades cognitivas, e o modo como elas moldam a forma como o mundo é observado. Apenas através da compreensão adequada sobre as fontes e limitações do conhecimento humano é que poderiam surgir as questões metafísicas corretas.

Crítica da Razão Prática

Livros disponíveis:

The Critique of Pure Reason
Fundamental Principles of the Metaphysic of Morals
The Metaphysical Elements of Ethics

Sugestões em português:

Prolegômenos de toda a metafísica futura
Crítica da razão pura
Fundamentos da metafísica dos costumes
Crítica do Juízo

hegel

Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770)

Hegel foi um filósofo alemão que buscou abranger a história e a realidade do pensamento num só sistema filosófico. Ele tentou desenvolver uma nova forma de pensamento e de lógica – que chamou de ‘razão especulativa’ e que inclui o conceito de dialética – para tentar superar o que ele sentia como as limitações tanto dos sentidos comuns quanto da filosofia tradicional, buscando compreender os problemas filosóficos e a relação entre pensamento e realidade.

Prefácio do livro Fenomenologia do Espírito

Sugestões em português:

A fenomenologia do espírito
Princípios da filosofia do direito

schelling

Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling (1775-1854)

Filósofo situado no ponto central do Idealismo Alemão, entre Fichte e Hegel. Sua filosofia trata da liberdade humana, o absoluto e a relação entre matéria e espírito. “Ordinary thinking is a mechanism governed by concepts, though they are not distinguished as concepts; whereas transcendental thinking suspends this mechanism, and in becoming aware of the concept as an act, attains to the concept of a concept. – In ordinary action, the acting itself is lost sight of in the object of action; philosophising is likewise an action, yet not only an action but also at the same time a continuous scrutiny of the self so engaged.”

Transcendental Philosophy

schopenhauer

Arthur Schopenhauer (1788)

Considera-se que Schopenhauer seja um dos filósofos alemães que compôs a prosa mais magnífica desse idioma. Sua filosofia, no então, contrapõe o otimismo de Hegel, seu contemporâneo, apresentando uma visão pessimista que retrata o mundo como sendo um local de sofrimento, desolação e morte. Ele sugeriu que a motivação básica do homem e ao mesmo tempo, a forma como o mundo pode ser conhecido e experimentado é a “vontade”. Essa vontade seria uma força impessoal que controla todas as coisas, inclusive o ser humano. Porém, como ela nunca pode ser totalmente saciada, nasce disso seu pessimismo e sua sugestão por uma vida de ascetismo e abnegação.

A morte e a dor
Aforismos para a sabedoria
O Vazio da Existência

Livros disponíveis:

Projeto Gutenberg (em inglês)
The University of Adelaide Library

Sugestão de livro em português:

O mundo como vontade e representação

kierkegaard

Soren Kierkegaard (1813)

Kierkegaard é um filósofo dinamarquês que lançou os fundamentos do existencialismo, que considerava o sujeito humano – não só o sujeito pensante, mas o indivíduo que atua, sente e vive, bem como suas condições de existência – como sendo o ponto inicial do pensamento filosófico. Ele reafirma a escolha individual como o local autêntico tanto da responsabilidade quanto da autenticidade. Muito do seu trabalho lida com temas religiosos como a fé em Deus, a instituição da igreja e a ética cristã, teologia e as emoções e sentimento dos indivíduos frente suas escolhas diárias.

Links externos:

The Journals Of Kierkegaard
Fear and Trembling

nietzsche

Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844)

Nietzsche foi um filósofo alemão que influenciou o existencialismo e o pós-modernismo. Sob a influência cultural da época, onde a Europa havia perdido a fé na ordem divina, ele sugeriu que a resposta adequada não consistia em voltar-se ao niilismo, mas sim ascender ao desafio de forjar novos valores para uma nova época. Sua visão de um Übermensch (super homem) sugere a necessidade pelo surgimento de uma nova humanidade, que transformaria os valores estabelecidos. Em seu Assim Falava Zaratustra, ele apresenta esse super homem com os seguintes termos; “O homem é superável. Que fizestes para o superar? Até agora todos os seres têm apresentado alguma coisa superior a si mesmos; e vós, quereis o refluxo desse grande fluxo, preferis tornar ao animal, em vez de superar o homem? Que é o macaco para o homem? Uma irrisão ou uma dolorosa vergonha. Pois é o mesmo que deve ser o homem para Super-homem: uma irrisão ou uma dolorosa vergonha.”

Genealogia da Moral
Além do bem e do mal
Assim falava Zaratustra

Livros disponíveis em inglês:

Projeto Gutenberg

Outras sugestões em português:

Humano, Demasiado Humano
O Nascimento Da Tragedia

heidegger

Martin Heidegger (1889)

Heidegger foi um filósofo alemão que influenciou o movimento existencialista e também, o desconstrutivismo de Derrida. Sua preocupação era com o ser – ele enfatizava o que é ser no mundo, e não o empenho da filosofia em conhece-lo. Ele retomou o “Penso, logo existo” de Descartes para produzir sua própria versão, utilizando-se do termo Dasein – uma afirmação que invoca a presença desse ser em um local (literalmente significa ‘ser aí’). Esse termo envolve uma existência encarnada e material situada no tempo e num cenário sócio-histórico que envolve outras pessoas. O ser de Dasein é um projeto em aberto, um ‘vir a ser’: cada um cria a si próprio ao longo de sua vida, através de suas escolhas e ações.

Construir, habitar e pensar
A doutrina de Platão sobre a verdade
A época das imagens de mundo
Que é isto – A Filosofia?
Que é metafísica?
From Heidegger to Suhrawardi – Henri Corbin

Obra fundamental: Ser e tempo

james

William James (1897)

William James (1842-1910) foi um psicólogo e filósofo que publicou uma vasta obra de grande influência no pensamento ocidental, especialmente sobre a psicologia da experiência espiritual e religiosa. Foi muito influenciado por seu pai, um excêntrico teólogo adepto das ideias deSwedenborg.

The Varieties of Religious Experience : a Study in Human Nature [1902]

Links externos

Emory University

Livros disponíveis:

The Subjective Effects of Nitrous Oxide [1882]
The Principles of Psychology [1890]
The Will to Believe [1896]
Human Immortality: Two Supposed Objections to the Doctrine [the Ingersoll Lecture, 1897]
Talks to Teachers on Psychology: and to Students on Some of Life’s Ideals [1899]
The Moral Equivalent of War [1906]
Pragmatism: A New Name for Some Old Ways of Thinking [1907]
A Pluralistic Universe [1909]
The Meaning of Truth: A Sequel to “Pragmatism” [1909]
Memories and Studies [1911]
Essays in Radical Empiricism [1912]

adorno

Theodor Ludwig Wiesengrund Adorno (1903)

Adorno foi um sociólogo, filósofo e músico alemão, membro da Escola de Frankfurt. Nos anos 30, uma era de produção e de cultura de massas, ficava claro que o capitalismo descobrira como se perpetuar. Ele se debruçou sobre os problemas da modernidade, e em particular a aceitação acrítica dos valores impostos pela mídia, cuja finalidade seria a de exercer um mecanismo de controle social e de indução ao consumismo.

A filosofia muda o mundo ao manter-se como teoria
Late Capitalism or Industrial Society?
The Culture Industry
Culture Industry Reconsidered

Links externos:

Life and work
The Adorno Reference Archive

Livros em português:

Dialética Negativa
Dialética do Esclarescimento
Minima Moralia

sartre

Jean-Paul Charles Aymard Sartre (1905)

Maior expoente do existencialismo no pós-guerra, Sartre enfatizava que a liberdade humana deve ser total, e que cada um deveria assumir a responsabilidade completa pelo que fizer e pelo que vier a se tornar. Explorou seus temas em peças teatrais, romances e críticas, bem como através da filosofia acadêmica.

A náusea

Links externos

Jean-Paul Sartre Archive
Sartre org

Sugestões de textos:

O ser e o nada
Crítica da razão dialética

ricoeur

Paul Ricoeur (1913)

Ricoeur (1913-2005) foi um filósofo francês, importante por unir a fenomenologia com a hermenêutica. A fenomenologia busca criar condições para o estudo objetivo de tópicos geralmente considerados como sendo subjetivos, por exemplo, a consciência, o julgamento ou as emoções. Uma das referências mais importantes dessa área é Martin Heidegger. Por outro lado, a hermenêutica lida com o processo interpretativo, incluindo formas verbais e não verbais de comunicação, pressuposições e preconceitos. Seu trabalho possui estreita relação com o de Jung.

Link externo

Life and work

Livros em português:

O conflito das interpretações (1989)
A região dos filósofos (1996)
Nas Fronteiras da Filosofia (1996)
Da Metafísica à Moral (1998)
Hermenêutica e ideologias (2008)
A metáfora viva (2000)

Livros em outros idiomas:

Ideologia y utopia (1997)
What makes us think? (2000)

derrida

Jacques Derrida (1930)

Derrida foi um filósofo francês considerado como o fundador da desconstrução, uma técnica que, rigorosamente, persegue o significado de um texto, expondo seus aspectos ocultos ou irrefletidos. Influenciado pela explicação estruturalista do significado, ele nega que o sentido de um termo seja determinado por aquilo a que ele se refere: é antes o produto de suas relações diferenciais com outros termos da linguagem. Para ele, a metafísica ocidental foi construída no anseio de trazer à mente conceitos como essência, substância, verdade e origem. Na frustração inevitável do desejo de ancorar o significado nesses termos, residem as sementes da própria “desconstrução” do texto.

Livros sugeridos em português

Gramatologia
Pensar a desconstrução
Sob palavra

tarnas

Richard Tarnas (1950)

R. Tarnas nasceu na Suíça e é professor de filosofia e psicologia em São Francisco, no California Institute of Integral Studies.

Livros sugeridos:

Epopeia do pensamento ocidental (1999)
The Passion of the Western Mind (1997)
Revisioning transpersonal theory (2001)
Cosmos and psyche (2007)