Filosofia

Filosofia Grega / Egípcia

Pitágoras (~500aC)

pythagorasVindo da ilha Jônica de Samos, sugere-se que Pitágoras tenha estudado no Egito e na Mesopotâmia, até estabelecer-se na colônia grega de Cróton, na Itália. Ali desenvolveu uma escola de filosofia e uma fraternidade religiosa centradas no culto a Apolo e às Musas, e dedicadas ao conhecimento intelectual da natureza e ao desenvolvimento espiritual– ambos considerados como sendo intrinsecamente interligados. A filosofia e a ciência eram entremeadas pela religião de mistérios, especialmente o orfismo, e para ele, o conhecimento científico da ordem do universo natural representava o caminho para a própria iluminação espiritual. Para os pitagóricos, as formas da matemática, as harmonias da música, o movimento dos planetas e os deuses dos mistérios estavam todos essencialmente relacionados, e os significados dessa relação eram atingidos por meio de uma educação filosófica e religiosa que conduzia a alma humana a contemplar a mente criativa do universo.

Links externos:

Empédocles (490aC)

empedoclesFoi um dos filósofos pré-socráticos mais importantes e um poeta de muita influência e habilidade. Ele é bastante conhecido pela sugestão de uma cosmogênese baseada nos quatro elementos (água, ar, fogo e terra). Ele também propôs certos poderes, chamados de Amor e Conflito, que agiriam como as forças responsáveis pela união (mistura) e separação desses elementos.

Links externos:

Sócrates (469aC)

socratesApesar da magnitude de sua influência, pouco se sabe com certeza sobre Sócrates. Ele não escreveu nada, mas está presente nos escritos de Platão, seu aluno mais ilustre. Da obra de Platão e de fragmentos de outros autores contemporâneos (Xenofonte, Aristófanes e o próprioAristóteles) é possível afirmar que Sócrates possuía uma inteligência incomum e um rigoroso sentido crítico. Ele parece ter tornado a afirmação délfica – “conhece-te a ti mesmo” – numa atitude constante. Sua morte teve profundo impacto entre os filósofos da época – ele foi condenado a morte por envenenamento, acusado de corromper os jovens com suas ideias. Apesar de o exílio ser uma alternativa, ele rejeitou todos os esforços em minimizar sua pena – reafirmou a correção de sua vida e sua missão de despertar os outros, mesmo diante de sua condenação. Ele não temeu a morte e a recebeu de braços abertos, como um portal para a verdade que ele tanto defendia e buscava. O relato de sua morte pode ser encontrado no Fédon de Platão, que retrata os momentos finais de Sócrates com muita beleza e profundidade.

Links externos:

Platão (~340aC)

plato_corO platonismo gira ao redor do conceito central do Mundo das Ideias ou das Formas Arquetípicas. Essas formas são primordiais à existência, sendo os objetos visíveis da realidade convencional, seus derivados imediatos. Essas Ideias não são abstrações conceituais que podem surgir na mente humana; ao contrário, elas possuem uma qualidade de ser e um grau de realidade superior ao do mundo concreto. Esses arquétipos manifestam-se no tempo e são atemporais e constituem a essência intrínseca das coisas. Para Platão, as pessoas não têm a consciência direta do nível arquetípico. Por exemplo, elas consideram a beleza como sendo um atributo da pessoa ou objeto que a contém. Mas para ele, um filósofo acostumado em observar a beleza em muitos contextos e refletir sobre ela profundamente, poderia vislumbrar a beleza absoluta – a própria beleza suprema, pura, eterna e não condicionada a qualquer manifestação. Ele desvenda a realidade autêntica atrás da aparência. Se algo é belo, é porque participa da Forma absoluta da Beleza. Assim, se muitos objetos compartilham de uma propriedade comum, essa propriedade não poderia estar limitada a uma instância material específica. Ela é imaterial, está além do espaço-tempo, transcende suas inúmeras instâncias e é universal. Platão sugere que o filósofo é aquele que vai do particular em direção ao universal, e além da aparência em direção à essência, numa sugestão de que se desconfie dos sentidos perceptivos, uma vez que o conhecimento que provêm deles é mutável, relativo e pessoal.

Links externos:

 Aristóteles (~320aC)

aristotleAristóteles foi aluno de Platão, e da mesma forma que seu mestre, moldou as bases do pensamento ocidental. A distinção mais importante entre os dois dizia respeito à natureza das Ideias e sua relação com o mundo empírico. Aristóteles não aceitava as conclusões de Platão de que a base da realidade existia num mundo inteiramente transcendente e imaterial de entidades ideais. A verdadeira realidade, segundo ele, era o mundo perceptível dos objetos concretos – o erro de Platão estaria em confundir qualidades com substâncias: a qualidade universal pode ser distinguida do indivíduo concreto, mas não é algo que subsiste por si mesmo ou que apresenta uma realidade independente. Assim, ele substituiu as Ideias pelas universalidades – qualidades comuns que a mente pode apreender no mundo empírico, mas que não existem independentemente desse mundo. A maior parte da filosofia de Aristóteles era nitidamente naturalista e empirista. Sua escola em Atenas era mais um centro para a pesquisa científica e reunião de informações que uma escola filosófica semi-religiosa como a de Platão. Se Platão empregava a razão para superar o mundo empírico e descobrir uma ordem transcendente, Aristóteles empregava a razão para descobrir uma ordem imanente no próprio mundo empírico. Entre ambos há uma harmonia elegante e uma tensão entre a análise empírica e a intuição religiosa que ainda exerce influência no pensamento ocidental até os dias atuais.

Links externos:

 Lucius Annaeus Seneca (~4aC)

senecaSêneca foi um filósofo estóico, que teve um papel fundamental na divulgação das obras dos filósofos gregos. O Estoicismo foi um ramo da Filosofia Helenista, que baseava-se numa forma específica de viver a vida – dizia-se que uma pessoa deveria ser considerada um filósofo, não pelo que ela dizia e sim, por seu comportamento e pelo que ela era. A obra de Sêneca contém os principais temas dessa filosofia, tais como, o universo é governado da melhor forma possível, por uma providência racional; a felicidade é conquistada por uma vida simples e harmônica em relação à natureza. Ele enfatizava alguns passos práticos através dos quais o leitor poderia confrontar os problemas da vida, e em especial, sua própria mortalidade.

Links externos:

 Philo de Alexandria (~20aC)

philoPhilo (ou Filon) de Alexandria, também conhecido como Philo o Judeu, foi um filósofo helenista que nasceu em Alexandria, no Egito. Ele desenvolveu uma síntese grego-judaica em torno do conceito de Logos que identificou como sendo a soma das Ideias do platonismo, que consistiriam em pensamentos eternos de Deus, criados por Ele como criaturas reais que antecediam a criação do mundo. Contemporâneo de Paulo de Tarso (também de formação grega), Filon parece ter influenciado as ideias iniciais do desenvolvimento da religião cristã, da mesma forma que o neoplatonismo. Alguns estudiosos sugerem que as frases de abertura do testamento de João (“No princípio era o Verbo…”) seriam fruto da influência dos pensamentos de Filon, sendo que o conceito de Verbo corresponderia ao do próprio Logos.

Links externos:

 Epíteto (~50dC)

epictetus01Epíteto foi um filósofo estóico grego que, à maneira de outros filósofos dessa mesma linhagem, acreditava que a filosofia é uma forma de viver e não um conjunto de teorias. Para ele, os eventos externos são determinados pelo destino e estão além do controle pessoal – portanto, eles devem ser aceitos de forma desapaixonada. O sofrimento é justamente a consequência por tentar controlar o que não pode ser controlado. Por outro lado, cada um é responsável por suas próprias ações que devem ser examinadas e reguladas por uma observação rigorosa e disciplinada de si mesmo. Todos são responsáveis por todos, e aquele que seguir estes preceitos será capaz de encontrar a felicidade.

Links externos:

 Plotino (~200dC)

plotinusPlotino é considerado um dos maiores filósofos do mundo grego e é considerado o fundador do Neoplatonismo (juntamente com seu professor Ammonius Saccas). Foi no Neoplatonismo que o espírito superior transcendente passou a ser definido como o “Uno.” Essa Unidade suprema não contém nenhuma divisão, multiplicidade ou distinção. Ela é anterior a toda forma de existência e nenhum atributo lhe pode assinalado, exceto o Bem e a Beleza. O Uno, num transbordamento de absoluta perfeição, produz o cosmos, numa série hierárquica de emanações. A primeira emanação consiste no intelecto divino ou Nous, no qual estariam contidas as Ideias Arquetípicas que se manifestam no mundo. Sua filosofia é essencialmente devocional, e busca a experiência do êxtase da união com essa Unidade, tendo influenciado profundamente o desenvolvimento da espiritualidade em várias tradições ocidentais.

Links externos

Hermes

hermesA tradição Hermética, relacionada a Hermes Trimegistus, situa-se na convergência entre a filosofia grega e a tradição egípcia e existem várias controvérsias sobre sua origem. Parece ter havido vários autores cujos textos são atribuídos a Hermes, entre eles, Ammonius Saccas, o professor egípcio de Plotino que, junto com outros filósofos, produziram alguns dos materias relacionados a esta tradição.

Filosofia Ocidental

Giovanni Pico della Mirandola (1463)

picodellamirandolaPico nasceu em uma família de nobres na Toscana (Itália) e foi um dos filósofos renascentistas mais importantes. Seu “Oration on the dignity of man” é considerado um Manifesto da Renascença e um texto chave para o humanismo dessa época.

Link externo:

Francis Bacon (1561)

baconF. Bacon foi um filósofo, cientista e jurista da Inglaterra cujas ideias influenciaram a nova ciência que surgiu no século 17. Seu trabalho está relacionado com a emergência do método científico em si – ele sugeriu que o homem é escravo de suas próprias concepções e ideias e que estas devem ser eliminadas para que seja possível perseguir e atingir, de forma efetiva, o conhecimento científico e filosófico. Assim, seu método é baseado na indução, ou raciocínio indutivo, cujas bases devem ser a experiência e a observação. As premissas de um argumento indutivo indicam certo grau de suporte (probabilidade indutiva) para a conclusão, mas não implicam nela, ou seja, elas não garantem sua verdade, e sim indicam a probabilidade dela ser verdadeira ou não. A indução é usada para atribuir propriedades ou relações baseadas em observações ou experiências, e também para formular leis baseadas na observação de padrões recorrentes de fenômenos. Apesar de estabelecer as bases do pensamento científico, a indução foi – e ainda tem sido – alvo de críticas, principalmente por parte de David Hume, Karl Popper e David Miller.

Links externos

René Descartes (1596)

descartesDescartes nasceu na França. Ele é considerado o Pai da Filosofia Moderna e uma das figuras centrais na Revolução Científica. Também teve papel importante na matemática com o sistema de coordenadas cartesianas. Ele foi a figura mais proeminente do racionalismo do século 17, que pode ser definido como um método baseado na premissa de que a verdade não é encontrada através do sensório, mas do intelecto e da dedução, ou seja, que a razão tem precedência sobre as outras formas de adquirir conhecimento.

Livros recomendados:

  • Meditações sobre a Primeira Filosofia
  • Princípios da Filosofia
  • O Mundo ou Tratado da Luz

Links externos:

Baruch Spinoza (1632)

spinozaBaruch ou Benedito de Spinoza foi um filósofo de origem judaica nascido em Portugal. Ele é considerado um dos primeiros pensadores modernos e um dos filósofos que gerou as bases para o Iluminismo do século 18. Aplicando os métodos da matemática e filosofia, ele construiu um sistema metafísico baseado no racionalismo, fornecendo uma alternativa ao materialismo e ateísmo do final do século 18 na Europa. No entanto, por afirmar a unidade de tudo o que existe e a identidade entre espírito e natureza, ele foi considerado um panteísta. Além disso, foi o primeiro a examinar as Escrituras como registros históricos. Perseguido pela Inquisição e expulso da comunidade judaica, ele morreu muito jovem, aos 44 anos, na Holanda.

Livros disponíveis:

  • Projeto Gutenberg (em inglês)
  • Seu livro mais importante “Ética” pode ser encontrado nas livrarias em português

Immanuel Kant (1724)

kantKant foi um filósofo alemão, considerado um dos pensadores mais influentes da Europa moderna e do final do Iluminismo. Ele caracterizou sua obra como uma ponte entre as tradições racionalista e empirista do século 17-18 – ele sugeriu que usar a razão sem aplica-la à experiência conduziria apenas a ilusões e que a experiência seria puramente subjetiva sem que ela fosse, primeiro, submetida à pura razão. Ele sugeriu que a metafísica deveria ser reformada – uma de sua frases é “A metafísica é um oceano escuro sem costa ou farol, juncado de destroços filosóficos” – e que essa reforma se daria através da epistemologia, que é um ramo da filosofia que se preocupa com a natureza e limitações do próprio conhecimento. Em vez de fazer a pergunta tradicional –o conhecimento reflete precisamente a realidade? – Kant pergunta como a realidade reflete a cognição. Assim, a investigação para atingir o conhecimento não deveria estar voltada apenas para a observação do mundo e sim para a estrutura das capacidades cognitivas, e o modo como elas moldam a forma como o mundo é observado. Apenas através da compreensão adequada sobre as fontes e limitações do conhecimento humano é que poderiam surgir as questões metafísicas corretas.

Livros disponíveis:

Sugestões em português:

  • Prolegômenos de toda a metafísica futura
  • Crítica da razão pura
  • Fundamentos da metafísica dos costumes
  • Crítica do Juízo

Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770)

hegelHegel foi um filósofo alemão que buscou abranger a história e a realidade do pensamento num só sistema filosófico. Ele tentou desenvolver uma nova forma de pensamento e de lógica – que chamou de ‘razão especulativa’ e que inclui o conceito de dialética – para tentar superar o que ele sentia como as limitações tanto dos sentidos comuns quanto da filosofia tradicional, buscando compreender os problemas filosóficos e a relação entre pensamento e realidade.

Sugestões em português:

  • A fenomenologia do espírito
  • Princípios da filosofia do direito

Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling (1775-1854)

schellingFilósofo situado no ponto central do Idealismo Alemão, entre Fichte e Hegel. Sua filosofia trata da liberdade humana, o absoluto e a relação entre matéria e espírito. “Ordinary thinking is a mechanism governed by concepts, though they are not distinguished as concepts; whereas transcendental thinking suspends this mechanism, and in becoming aware of the concept as an act, attains to the concept of a concept. – In ordinary action, the acting itself is lost sight of in the object of action; philosophising is likewise an action, yet not only an action but also at the same time a continuous scrutiny of the self so engaged.”

Arthur Schopenhauer (1788)

schopenhauerConsidera-se que Schopenhauer seja um dos filósofos alemães que compôs a prosa mais magnífica desse idioma. Sua filosofia, no então, contrapõe o otimismo de Hegel, seu contemporâneo, apresentando uma visão pessimista que retrata o mundo como sendo um local de sofrimento, desolação e morte. Ele sugeriu que a motivação básica do homem e ao mesmo tempo, a forma como o mundo pode ser conhecido e experimentado é a “vontade”. Essa vontade seria uma força impessoal que controla todas as coisas, inclusive o ser humano. Porém, como ela nunca pode ser totalmente saciada, nasce disso seu pessimismo e sua sugestão por uma vida de ascetismo e abnegação.

Livros disponíveis:

Sugestão de livro em português:

  • O mundo como vontade e representação

Soren Kierkegaard (1813)

kierkegaardKierkegaard é um filósofo dinamarquês que lançou os fundamentos do existencialismo, que considerava o sujeito humano – não só o sujeito pensante, mas o indivíduo que atua, sente e vive, bem como suas condições de existência – como sendo o ponto inicial do pensamento filosófico. Ele reafirma a escolha individual como o local autêntico tanto da responsabilidade quanto da autenticidade. Muito do seu trabalho lida com temas religiosos como a fé em Deus, a instituição da igreja e a ética cristã, teologia e as emoções e sentimento dos indivíduos frente suas escolhas diárias.

Links externos:

Friedrich Wilhelm Nietzsche (1844)

nietzscheNietzsche foi um filósofo alemão que influenciou o existencialismo e o pós-modernismo. Sob a influência cultural da época, onde a Europa havia perdido a fé na ordem divina, ele sugeriu que a resposta adequada não consistia em voltar-se ao niilismo, mas sim ascender ao desafio de forjar novos valores para uma nova época. Sua visão de um Übermensch (super homem) sugere a necessidade pelo surgimento de uma nova humanidade, que transformaria os valores estabelecidos. Em seu Assim Falava Zaratustra, ele apresenta esse super homem com os seguintes termos; “O homem é superável. Que fizestes para o superar? Até agora todos os seres têm apresentado alguma coisa superior a si mesmos; e vós, quereis o refluxo desse grande fluxo, preferis tornar ao animal, em vez de superar o homem? Que é o macaco para o homem? Uma irrisão ou uma dolorosa vergonha. Pois é o mesmo que deve ser o homem para Super-homem: uma irrisão ou uma dolorosa vergonha.”

Livros disponíveis em inglês:

Outras sugestões em português:

  • Humano, Demasiado Humano
  • O Nascimento Da Tragedia

Martin Heidegger (1889)

heideggerHeidegger foi um filósofo alemão que influenciou o movimento existencialista e também, o desconstrutivismo de Derrida. Sua preocupação era com o ser – ele enfatizava o que é ser no mundo, e não o empenho da filosofia em conhece-lo. Ele retomou o “Penso, logo existo” de Descartes para produzir sua própria versão, utilizando-se do termo Dasein – uma afirmação que invoca a presença desse ser em um local (literalmente significa ‘ser aí’). Esse termo envolve uma existência encarnada e material situada no tempo e num cenário sócio-histórico que envolve outras pessoas. O ser de Dasein é um projeto em aberto, um ‘vir a ser’: cada um cria a si próprio ao longo de sua vida, através de suas escolhas e ações.

William James (1897)

jamesWilliam James (1842-1910) foi um psicólogo e filósofo que publicou uma vasta obra de grande influência no pensamento ocidental, especialmente sobre a psicologia da experiência espiritual e religiosa. Foi muito influenciado por seu pai, um excêntrico teólogo adepto das ideias deSwedenborg.

Links externos

Livros disponíveis:

Theodor Ludwig Wiesengrund Adorno (1903)

adornoAdorno foi um sociólogo, filósofo e músico alemão, membro da Escola de Frankfurt. Nos anos 30, uma era de produção e de cultura de massas, ficava claro que o capitalismo descobrira como se perpetuar. Ele se debruçou sobre os problemas da modernidade, e em particular a aceitação acrítica dos valores impostos pela mídia, cuja finalidade seria a de exercer um mecanismo de controle social e de indução ao consumismo.

Links externos:

Livros em português:

  • Dialética Negativa
  • Dialética do Esclarescimento
  • Minima Moralia

Jean-Paul Charles Aymard Sartre (1905)

sartreMaior expoente do existencialismo no pós-guerra, Sartre enfatizava que a liberdade humana deve ser total, e que cada um deveria assumir a responsabilidade completa pelo que fizer e pelo que vier a se tornar. Explorou seus temas em peças teatrais, romances e críticas, bem como através da filosofia acadêmica.

Links externos

Sugestões de textos:

  • O ser e o nada
  • Crítica da razão dialética

Paul Ricoeur (1913)

ricoeurRicoeur (1913-2005) foi um filósofo francês, importante por unir a fenomenologia com a hermenêutica. A fenomenologia busca criar condições para o estudo objetivo de tópicos geralmente considerados como sendo subjetivos, por exemplo, a consciência, o julgamento ou as emoções. Uma das referências mais importantes dessa área é Martin Heidegger. Por outro lado, a hermenêutica lida com o processo interpretativo, incluindo formas verbais e não verbais de comunicação, pressuposições e preconceitos. Seu trabalho possui estreita relação com o de Jung.

Link externo

Livros em português:

  • O conflito das interpretações (1989)
  • A região dos filósofos (1996)
  • Nas Fronteiras da Filosofia (1996)
  • Da Metafísica à Moral (1998)
  • Hermenêutica e ideologias (2008)
  • A metáfora viva (2000)

Livros em outros idiomas:

  • Ideologia y utopia (1997)
  • What makes us think? (2000)

Jacques Derrida (1930)

derridaDerrida foi um filósofo francês considerado como o fundador da desconstrução, uma técnica que, rigorosamente, persegue o significado de um texto, expondo seus aspectos ocultos ou irrefletidos. Influenciado pela explicação estruturalista do significado, ele nega que o sentido de um termo seja determinado por aquilo a que ele se refere: é antes o produto de suas relações diferenciais com outros termos da linguagem. Para ele, a metafísica ocidental foi construída no anseio de trazer à mente conceitos como essência, substância, verdade e origem. Na frustração inevitável do desejo de ancorar o significado nesses termos, residem as sementes da própria “desconstrução” do texto.

Livros sugeridos em português

  • Gramatologia
  • Pensar a desconstrução
  • Sob palavra

Richard Tarnas (1950)

tarnasR. Tarnas nasceu na Suíça e é professor de filosofia e psicologia em São Francisco, no California Institute of Integral Studies.

Livros sugeridos:

  • Epopeia do pensamento ocidental (1999)
  • The Passion of the Western Mind (1997)
  • Revisioning transpersonal theory (2001)
  • Cosmos and psyche (2007)

Filosofia Islâmica

 Abu Yusuf Ya’qub ibn Ishaq al-Kindī (~801)

al_kindiA escola de filosofia islâmica mais bem conhecida é chamada de mashsha’i ou Peripatética e foi fundada no século 9 em Bagdá por Al Kindi. Essa escola é uma síntese dos princípios da revelação islâmica, da filosofia de Aristóteles e do Neoplatonismo das escolas de Atenas e Alexandria. Al Kindi é chamado de “filósofo dos árabes” e compôs mais de 200 tratados, nos quais ele discute tanto filosofia quanto ciência, dando início a uma linhagem de sábios muçulmanos que são filósofos-cientistas e não apenas filósofos. Seu objetivo maior era o de descobrir a verdade, onde quer que ela esteja: “Para aquele que busca a verdade não há nada de maior valor que a verdade em si mesma.” Essa verdade seria atingida através do desenvolvimento do intelecto, uma capacidade humana que pode atuar como um “repositório para a revelação macrocósmica.”

Abu Nasr al-Farabi (~870)

alfarabiAl Farabi foi o sucessor de Al Kindi. Ele nasceu em Farab na Ásia Central e foi atraído pela vida espiritual quando ainda jovem, dedicando-se ao Sufismo. Ele foi também um músico famoso, sendo que suas canções podem ainda ser ouvidas no repertório de música sufi da Índia. Ele conhecia a filosofia de Aristóteles profundamente e comentou todos os seus trabalhos, inclusive os que lidavam com as teorias sobre cosmologia. Além de ter sintetizado o conhecimento sobre Aristóteles, ele também se interessou por Platão e pelos Neoplatônicos, relacionando-os com as perspectivas mais universais do Islão. Ele buscou também harmonizar a idéia do rei filósofo de Platão (ver The Republic) com o conceito do profetismo das tradições abrâmicas. Ele é considerado como tendo exercido uma influência fundamental sobre o pensamento de Ibn Sina (Avicena).

Links externos:

Abu Yakub al Sijistani (~900)

Além da filosofia Peripatética, que teve início especialmente com Al-Kindi, outro ramo da filosofia islâmica que surgiu na mesma época, foi o da filosofia Ismaelita ou Hermético-Pitagórica. Para o ismaelismo, a filosofia é identificada com a verdade interna das religiões e apresenta um caráter esotérico. Esse ramo da filosofia lida com temas fundamentais para o islamismo, tais como, a unidade (al-tawhid) e a verdade por trás da revelação. A elaboração sistemática dessa filosofia foi feita por Al- Sijistani, que viveu em Khurasan no Irã. Foi profundamente influenciado pelo Neoplatismo, em especial por Plotino, principalmente no que se refere à cosmologia, metafísica e ao conceito de Deus como estando além do ser e do não-ser. Para ele, Deus não é uma substância, nem intelecto, e nem está contido em nenhuma das categorias que definem o universo criado. O Intelecto seria o primeiro ser existente, originado por Deus como uma totalidade indivisível.

Ibn Masarra (883-931)

masarrahA filosofia islâmica expandiu suas fronteiras em direção à Espanha, especialmente na Andaluzia, e teve como principal pensador Ibn Masarra, o fundador da escola da Almeria. Apenas dois de seus trabalhos são conhecidos, mas sua influência é considerada fundamental, especialmente nos estudos de cosmologia. Sua doutrina enfatiza a absoluta simplicidade e inefabilidade do Ser absoluto, a emanação dos níveis de existência, a hierarquização das almas e sua emanação da Alma Universal. Ela é baseada na obra de Empédocles (a quem Ibn Masarra confere o status quase de um profeta) e influenciou Ibn Arabi e Mulla Sadra, entre outros.

Leituras sugeridas:

Ibn Hazm al Andaluzi (994)

hazmIbn Hazm é uma das maiores figuras do islamismo espanhol e um intelectual notável. Viveu em Córdoba e foi um historiador, teólogo e filósofo muito influente. Ele escreveu um trabalho (The book of critical detailed examination of religions, sects and philosophical schools) que é considerado o primeiro volume da história sobre religião comparada. Seu livro The Ring of the Dove trata do amor da alma pela beleza e é considerado o tratado islâmico mais famoso sobre o amor platônico e que também retoma a beleza poética do Fédon de Platão.

Ibn Sina ou Avicena (~980)

avicennaAvicena nasceu em Bukhara na Pérsia e foi, além de filósofo, um dos médicos mais importantes. Ele publicou mais de 200 tratados sobre medicina e filosofia, incluindo o Book of Healing (Kitab al-Shifa) que é uma enciclopédia monumental sobre ciências e filosofia. Ele coroou a filosofia Peripatética, criando a síntese final entre o islamismo e as filosofiasaristotélica e neoplatônica, que se tornou uma dimensão intelectual permanente no mundo islâmico, e que sobrevive como uma escola viva de filosofia até os dias de hoje. No entanto, no final de sua vida, ele teceu algumas críticas à filosofia Peripatética e deu início à Filosofia Oriental (al-hikmat al-mashriqiyyah) – oriental porque se relaciona com o mundo da luz e não em um sentido geográfico. Ela é baseada na iluminação da alma e vê o mundo como uma jornada que o verdadeiro filósofo deve percorrer com a ajuda de um guia, que é ninguém menos que o Intelecto Divino – filosofia esta posteriormente, retomada e desenvolvida por Suhrawardi. Para distinguir o Puro Ser da existência do mundo, Avicena fez uma distinção fundamental entre necessidade e contingência. O Ser Necessário consiste num nível de realidade que deve ser e não pode não-ser, ou seja, consiste numa realidade cuja não-existência implicaria em uma contradição. Existe apenas uma realidade como esta, que corresponde ao próprio Deus revelado das religiões monoteístas. Todos os seres além do Ser Necessário são contingentes, considerados como seres que podem ou não existir. Essa distinção criada por Avicena é uma das mais fundamentais na história da filosofia.

Hamid al-Din al-Kirmani (~996)

Al-Kirmani era persa de origem e passou grande parte de sua vida em Bagdá e Basra (Iraque). Profundamente influenciado pelo Neoplatonismo, deu continuidade à filosofia Ismaelita. Ele substitui a díade neoplatônica do Intelecto (‘aql) e Alma (nafs) por uma série de Dez Inteligências, numa adaptação parcial do sistema cosmológico de Aristóteles e da adaptação desse mesmo sistema por Al-Farabi. Assim como outros filósofos ismaelitas, sua metafísica não está baseada em um Ser, mas em um Princípio Supremo Originador (al-Muhdi) que é um Supra-Ser – ele está além de todas as delimitações inerentes ao ser. O “ser” seria o primeiro ato de al-Muhdi, traduzido nos textos bíblicos como a ordem “seja!” (khun). Esta ordem é a origem da cadeia do ser de todos os reinos da existência e corresponde a unidade em si (al-wahid), enquanto que o Originador ou al-Muhdi é aquele que cria essa unidade.

Link externo: Life and works

Nasir-i Khusraw (~1004)

khusrawKhusraw nasceu próxima de Khurasan (Irã) e é um dos filósofos ismaelitas de destaque. Foi influenciado em especial pelo Neoplatonismo e por Plotino. Ele afirma que compreender com clareza a questão da unidade é a única forma de atingir a perfeição espiritual. Como outros filósofos ismaelitas, seu sistema cosmológico é dividido em dois reinos, um oculto (batin) e outro manifesto (zahir), de tal forma que tudo o que existe no mundo sensório apresenta uma contrapartida no mundo espiritual, que é visto como sua fonte e sua forma verdadeira. Assim, a estrutura cosmológica em si revela uma íntima associação entre o mundo espiritual e o físico, sendo que tudo o que foi criado e que possui uma existência no nível físico, apresenta seu olhar voltado para o espiritual, e anseia por compreende-lo e voltar a estar unido a ele.

Links externos

Ikhwan al Safa – Irmãos da Pureza (~1000)

ikhwanOs Irmãos da Pureza (Ikhwan-al Safa) eram uma fraternidade de filósofos que viveram provavelmente em Basra (Iraque). Suas origens são alvo de muita polêmica, mas especula-se que eles tenham tido origem na tradição ismaelita. Eles escreveram uma enciclopédia de mais de 50 volumes (Rasa’il Ikhwan al-safa’) que abrangia temas diversos, baseada numa síntese da filosofia de Pitágoras, Platão, Aristóteles, dosNeoplatônicos e do próprio Corão. O propósito do Ikhwan, de acordo com sua própria definição parece ser educacional – todas as ciências que eles apresentam têm como objetivo tornar o leitor ciente da grande harmonia e beleza do universo, e despertar a necessidade de ir além da existência material. Eles definem o homem ideal como: “persa oriental na origem, árabe na fé, de educação babilônica, um hebreu em astúcia, um discípulo de Cristo em conduta, piedoso como um monge sírio, um grego nas ciências individuais, um indiano na interpretação dos mistérios, mas finalmente e especialmente, um sufi na totalidade de sua vida espiritual.”

Link externo:

Ibn Rushd ou Averroes (1126)

rushdIbn Rushd nasceu em Córdoba na Espanha e viveu a maior parte de sua vida em Marrakech no Marrocos. Ele foi um dos maiores comentaristas de Aristóteles e é dito que foi através de seus olhos que o Ocidente conheceu a obra de Aristóteles, uma vez que grande parte de seus trabalhos foi escrita em latim ou hebraico.

Outros autores

Link externo

Suhrawardi (~1155)

suhraw_tombe_5Suhrawardi (Shihab al-Din Abu al-Futuh Yahya ibn Habash ibn Amirak al-Suhrawardi ou Sheique al-Ishraq) nasceu numa vila na Pérsia. Ele estudou em Zanjan e Isfahan até completar sua formação em religião e ciências filosóficas e aderiu ao Sufismo. Ele se instalou em Aleppo onde, devido à oposição com certas ideias predominantes em seu tempo, ele foi morto ainda muito jovem, com 38 anos de idade. Suhrawardi foi um grande místico e filósofo e restaurou no coração do Islão a philosophia priscorium (al-hikmat al-atiqah) que pode ser traduzida como filosofia antiga ou venerável, e é fruto do treino do intelecto e da purificação do coração através do Sufismo. Seus tratados estão entre as obras primas da filosofia islâmica, e partem dos pressupostos de Avicena e dos Peripatéticos e culminam em seu livro Hikmat al Ishraq. Poucos escritores combinaram com tanta maestria e profundidade uma metafísica de altíssimo nível com uma prosa poética de tanta beleza e qualidade literária. Ele integrou o Platonismo com a angeologia Mazdeana na matriz da gnose islâmica. Ele afirmava que existiram duas tradições de origem divina: uma delas surgiu em PitágorasPlatão e outros filósofos gregos até Aristóteles, e a outra, nos sábios da antiga Pérsia. Ele também identificou Hermes com o Profeta Idries, a quem concedeu o nome de Pai dos Filósofos, e foi considerado como o recipiente do conhecimento celeste, que deu origem à filosofia. Foi finalmente no coração do Islão que essa tradição foi restaurada por Suhrawardi e recebeu o nome de Filosofia da Iluminação (al- hikmat al-ishraq).

Recitais comentados

Ibn Arabi (1165-1240)

ibn_arabi_damascus_syria_01Abu Abd Allah Muhammad ibn al-Arabi é provavelmente o autor sufi mais influente na história islâmica. Ele foi chamado de Muhyi al Din “O Revificador da Religião” e de al-Shaykh al-Akbar “O Maior dos Mestres.” Exerceu influência no pensamento de todos os sufis posteriores, que expressaram seus ensinamentos em termos filosóficos e espirituais. Ele foi capaz de combinar as várias correntes esotéricas do mundo islâmico de seu tempo – os pitagóricos, a alquimia, astrologia e diferentes perspectivas do Sufismo – em uma vasta síntese moldada pelo islamismo. Ele nasceu em Múrcia (na Espanha) e se estabeleceu em Damasco, onde um círculo de discípulos, incluindo al-Qunawi, acompanhou-o até sua morte. Um de seus poemas mais famosos pode ser encontrado no seu Tarjumán al-Ashwáq: “Meu coração pode assumir qualquer forma – um pasto para gazelas, um claustro para os monges cristãos, um templo para os ídolos, a Kaaba para os peregrinos, as tábuas da Torá ou as páginas do Corão – pois minha religião é a religião do Amor. Qualquer que seja a direção que o Amor tomar, esta será minha fé e minha religião.”

Links externos

Mulla Sadra (~1571)

mullasadraA filosofia islâmica atingiu um novo ápice no período Safávida na Pérsia (dinastia xiita iraniana entre os séculos 16 e 18) com a Escola de Isfahan. A figura mais importante dessa escola foi Sadr al-Din Shirazi, conhecido como Mulla Sadra, que é amplamente considerado como o maior de todos os metafísicos muçulmanos. Nasceu em Shirazi e estudou com Mir Damad, o fundador da escola de Isfahan. Ele incorporou os ideais de Suhrawardi e afirmava que o filósofo-teólogo perfeito deveria dedicar-se tanto ao treino intelectual quanto à pureza espiritual. Ele era um exemplo disso, pois foi um mestre na dialética e lógica e ao mesmo tempo, um místico. Mulla Sadra soube entrelaçar um padrão de pensamento que é lógico e imerso no oceano da luz da gnose. Ele nomeou essa síntese – composta de revelação, intelecção e desvelar místico – de al-hikmat al-muta’aliyah ou teosofia transcendente.

Links externos